quarta-feira, 13 de maio de 2015

As Aves


Há um lugar 
onde as aves se juntam para morrer,
sem ruído, 
na limpidez de um silêncio que se faz ouvir
em música suave, 
apropriada ao terminus da vida.
Todos os outros sons seriam desnecessários:
ficariam silenciados 
pela imensidão do momento.

O rumo é para poente.
É lá que se preparam para a morte
(mesmo aquelas que costumavam voar para norte).
É um lugar no espaço que as aguarda na noite, 
ofertando-lhes um regaço de matéria inexistente.

Tudo é ilusório e desconexo.
Os rostos desabitados sem expressão
sentem o peso dos dias em que lhes faltaram, 
não sete palmos e meio de chão
(que é a terra que um homem necessita),
mas dois pedaços, 
onde não conseguiram pousar os pés.

E por isso se fizeram aves,
para poderem suportar 
a impunidade da sua morte.


(eu)

Imagem- Google

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Assim Soprou o Vento



Esperem....
Não açoitem o vento!
Ele traz-me novas desse lugar de espanto,
branco....tão branco,
como a nuvem que trago entre mãos
e que se esvai perdendo o encanto.

Ouvem-se melodias urdindo dos corpos, 
vêem-se estrelas a cegarem os olhos,
do campanário saem sons
dos tempos em que a Ilharga esquerda do corpo
gemia e eu repetia:

Já nem sei por quantos sóis me apaixonei
nem sequer quantas luas visitei...

A alma estava inteira e não me doía.

Antes de se ferir nos rochedos cálidos da vida,
nunca se calava,
como se quisesse dizer a verdade...


(eu)

Imagem- Lauri Blank

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Foi Assim, há Trinta e Dois Anos


Ela estava tão grávida, tão grávida, que a qualquer momento poderia dar à luz.

Meses antes, numa madrugada de verão, passara duas horas a olhar para um tubo de ensaio, colocado sobre um suporte de madeira ou plástico castanho, à espera de lhe ver aparecer no fundo, um círculo vermelho.

Sim, era um círculo vermelho no fundo desse tubo de ensaio, que lhe iria dizer se dentro dela existia vida a crescer.

Finalmente o círculo tão esperado apareceu, e nesse momento, nesse preciso momento, sentiu o coração anunciar-lhe que aí, começara a viver.

Era a primeira vez que ia ser mãe. E para ela, era tão importante ser mãe!

Com a doçura do seu estado de graça, sentia o ventre liso a pouco e pouco tornar-se saliente, enquanto um novo ser crescia nas suas entranhas e começava a ser-lhe vida e amor. Esse amor que não tem nome, que não pode ser definido pela palavra formada pela junção das letras: a-m-o-r, porque há sentimentos que transcendem a condição humana. Logo não podem ser traduzidos nesta dimensão.

A chegada do seu bebé, ficara prevista para a terceira semana do mês de Fevereiro. Entretanto, ela ia-se deliciando com os movimentos que cada vez se tornavam mais específicos dentro de si, e que a levavam a adivinhar partes do corpinho desse ser tão amado que brevemente iria poder sentir nos braços.

Seu pai, também nascido no mês de Fevereiro, desde o primeiro instante em que lhe fora anunciado que ia ser avô, sempre dissera:
"-Vai ser uma menina e nascerá no dia dos meus anos" . Frase que lhe ficou marcada na memória para sempre, e que a faz pensar como toda e qualquer intenção de amor, pode ditar uma vida.

Há trinta e dois anos, era terça-feira de Carnaval, foi também com o coração repleto de amor que ela abraçou e beijou o pai pelos seus sessenta e três anos. Mas logo pela manhã, notara que algo se passava com o seu corpo. Nada que a impedisse de festejar o dia com muita alegria, cantar os parabéns e comer bolo.

Depois...depois, cumpriu-se o que o amor ditara:

Eram vinte horas e trinta e cinco minutos, o seu ventre inchado transformou-se em vida.

Deu á luz uma menina, pesava três quilos seiscentos e cinquenta gramas e chamou-lhe Ana.

Não lhe conseguiu ouvir o primeiro choro, e o primeiro afago recebeu-o do pai, que vivera intensamente cada segundo desta gravidez, também sua.

O primeiro colo recebeu do pai, que estava lá, quando involuntariamente o da mãe foi forçado a falhar.

Estávamos no dia 15 de Fevereiro de 1983.

Obrigada minha filha, por me teres tornado mãe. Por nos teres tornado pais!

Muitos beijinhos de Parabéns pelos teus trinta e dois anos , com todo o amor e orgulho que sentimos por ti.

E nunca te esqueças:
É no brilho e na luz que o amor flui e se faz vida. É nos recônditos da alma que a felicidade se instala.


* Parabéns meu pai , farias hoje noventa e cinco anos... onde quer que estejas, sei que estás feliz por nós.



*Ah... e ela gostou tanto da experiência, que a repetiu por mais três vezes...




sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Inquietação


Há uma voz ameaçadora
que me cega o peito,
há um querer ver 
para além dos olhos
o pó que transporta o vento.

Há um crescer da fome 
com que os lábios sangram 
ao toque do beijo,
sempre que vejo, 
hastes que me saem do ventre
e se elevam ao céu 
em suplicas de ansiedade.

Quando a última lua 
se abrir nos meus olhos,
contar-te-ei a verdadeira cor das estrelas
e nelas pousaremos as mãos repletas de vida.

Unidos semearemos bondade,
da terra eliminaremos o desalento.

Tu serás o pó, eu serei o vento...




(eu)


Imagem- Lauri Blank

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Nunca Deixes que me Perca de Ti



Sei que um novo sol virá iluminar a terra,
e nela hão-de crescer árvores da vida.

Pingos de sangue espalharei por toda a parte
para que nunca te percas de mim.

Se um dia eu vier a sobrar-te 
nenhuma estrela sobreviverá a tal sorte,
nebulosas se estenderão por toda a parte,
e a cidade será apenas um mausoléu 
onde sucumbirei de eterna saudade.

Quero que saibas,
que há em mim a certeza de novas árvores
de novos céus, de novas lembranças.
Tudo será renovado 
com o abrir e o fechar dos olhos,
em transformações que não terão fim.

Sei também que terei de esperar 
por aqueles que vieram antes de mim. 
mas depois...
depois, poderei unir mundos 
resgatar estrelas, 
e morrer até te (re)encontrar.

Se um dia tu vieres a sobrar-me 
não deixes que me perca de ti.
Limpa do rosto as lágrimas de saudade
procura-me entre sóis, ou luas empoeiradas, 
em águas planetárias ou rios submersos.
E não te esqueças que o segredo do Universo
está na força da gravidade.

E no amor que me impulsiona os versos.


(eu)

Música que me inspirou o poema


Imagem- Lauri Blank