domingo, 22 de janeiro de 2017

Súplica



Tudo em mim é antigo 
ou movido a vapor...

Eu disse-te mãe,
não ser boa ideia,
pedir contas ao futuro.
Hoje rasurámos as palavras 
e guardamos vestígios de silêncios
no fundo do peito.

Porém , reconheço esplendor 
no som das nossas vozes.
As penas nas asas do voo 
são cada vez mais escassas,
e os gestos enigmáticos 
com que um dia me ofereceste o seio,
são um bálsamo 
para a minha alma faminta.

Incomensuráveis 
são os gestos de amor
onde guardo a ternura pulsante 
da infância.

Despe o peito da vertigem dos dias chuvosos,
mãe...

E ama-me!! 
Ama-me enquanto existirem rosas...





(eu)


Imagem- Natália Zakonova

14 comentários:

  1. Belíssimo e comovente este teu poema...
    Uma oração-súplica que expressa a necessidade do amparo de
    um amor que só uma mãe preenche e acolhe as asas em
    momento de fragilidade.
    Rosas sempre no teu caminho, Cristina!!
    Um beijo e abraço solidário.

    ResponderEliminar
  2. Guardar "a ternura pulsante da infância" e fazer este magnífico poema dedicado à mãe. De uma sensibilidade tão delicada que comove, Cristina.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns à sua mãe. Que ela tenha muita saúde e viva rodeada de amor.
    Envio-lhe um beijo e outro para si.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Graça.
    Hoje dia 23, faz 88 anos...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olha que lindo Cristina, hoje venho reencontrar sua poesia em novo ano.
    Encontro este show de ternura nas mais belas lembranças e vejo, que é o aniversário da mãe.
    Que Deus a guarde com carinho Cristina.
    Parabéns mamãe inspiradora pelo amor e carinho sempre dedicado.
    Bjs para voces no coração.

    ResponderEliminar
  6. Encontro fecundo de palavras veiculando uma realidade viva, este sentimento profundo, esta delicadeza.
    Parabéns a mamãe, ela bem o merece.
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  7. muito bela essa súplica
    e esse seu mergulho nas águas matriciais
    onde o poema é rosto.

    gostei. de verdade.

    beijo

    ResponderEliminar
  8. Olá, Cristina, vim conhecê-la e encontro um poema, uma súplica tão comovente por um amor sempre incondicional.
    Um abraço na sua mãezinha pelos 88 anos.
    Muito obrigada, amiga, não consigo seguir seu blog, dá erro 469. Quando resolverem esse problema, a seguirei. Porém você já está linkada como favorita em meu blog. Voltarei sempre.
    Beijo, Cristina.

    ResponderEliminar
  9. O seio é uma imensa fonte de vida e de inspiração, por isso a ternura e os incomensuráveis gestos na sede do amor.
    Parabéns, Graça.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Um poema comovente, vindo do fundo da alma.
    Excelente, gostei imenso.
    Cristina, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Comovido, Cristina, pela vertente de afectos que destilam dos poros do seu poema...
    Talento à flor da pele.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Quando a temática mãe é alvo de poema, focalizo o meu olhar na forma como o poeta abordou este sentir maior que se nutre por ela. O que posso dizer é que, além da emoção e beleza, apreciei, sobremaneira, a arte do verso.
    BJ, amiga 😊

    ResponderEliminar
  13. Parabéns a essa linda mãe. A minha fez 80 no dia 28.

    ResponderEliminar